Tendências de 2020 para as redes sociais

Posted In: Social Media

Um guia compreensivo de marketing de influência para a próxima década

A década nova chegou. E junto à ela, um outro marco gigantesco: o aniversário de 10 anos do Instagram. A plataforma mudou de forma dramática a forma como expressamos a nossa criatividade e como o marketing é praticado em diferentes níveis. A transição para o mobile também democratizou radicalmente todas as nossas formas de expressão, fazendo com que criadores de todos os níveis conseguissem uma fatia do bolo.

Hoje estamos conectados a um mundo que combina arte, tecnologia, cultura e talento de uma forma nunca antes vista. Entender para onde as coisas estão caminhando, para onde apontam as futuras tendências é muito importante para quem quer se destacar nesse espaço digital que está sempre em evolução.d

Uma coisa que eu, você e todo mundo sabe é que o presente e o futuro são digitais.

Em 2019 as empresas de publicidade gastaram mais dinheiro com marketing digital do que com publicidade tradicional pela primeira vez. Se você me acompanha, não está surpreso. Se você ainda não me acompanha, aproveita pra me seguir no Insta porque eu sei do que estou falando! 

Neste momento, é mais importante do que nunca ser culturalmente relevante no espaço social (e quando eu falo isso eu quero dizer: nas redes sociais) – tanto para marcas, a mídia e criadores de conteúdo. E para que as marcas se firmem nesse ecossistema, elas precisam se alinhar com criadores que não têm medo de correr riscos em nome da criatividade, do ativismo e da sua personalidade. 

Seja protestando a favor de uma causa, criando arte digital ou de rua, ou postando um vídeo fazendo um kickflip – os criadores que têm feito mais sucesso com o público e os consumidores são aqueles que usam as plataformas para mostrar suas verdadeiras paixões, sem filtros. Se esse criador é você, continua comigo.

Fonte: Whalar

Um estudo recente feito pela Whalar elencou 5 tendências de que podem ser lidas como… nichos em que estão em demanda. São movimentos digitais e formas de comportamento que estão moldando a forma como o conteúdo online está sendo consumido e tendo demanda.

Para quem quer se alinhar com os valores e tendências que chegam abrindo a nova década, aqui vai a lista. Pensem nela como um guia, estudo de comportamento e mapa para começar a se planejar como marca e personalidade online de relevância:

Ativismo

Apoiar uma causa é essencial porque não podemos nos dar ao luxo de não ligar para as coisas.

Todas as causas são, no final das contas, causas pessoais. Mas elas afetam dezenas de milhares – senão milhões de pessoas – na sua comunidade ou no mundo todo.

Tem influenciadores fazendo muito impacto com seu ativismo que combina educação e expressão artística. Há também mães falando sobre a vida pós parto e sobre as dificuldades invisíveis da maternidade que estão criando comunidades enormes em volta de suas contas. O ativismo climático, urgente neste momento, tem diversas facetas e urge informações responsáveis e ações coerentes.

A maioria dos consumidores ao redor do mundo hoje leva em conta o impacto ambiental das suas compras e a origem dos seus produtos. Escolher adquirir um produto de uma grande marca ou de um produtor local é hoje um ato de ativismo, e quem vai estar ao seu lado nessa luta?

A mudança nos hábitos de consumo tem sido observada globalmente. A marcha pelo clima de setembro de 2019 bateu recordes. Gigantes como o WordPress e Tumblr, dentre outras 7 mil empresas, doaram espaço para ads e banners para a causa da Patagônia.

O ativismo é uma tendência real e não deve ser ignorado.

Fonte: Whalar

Igualdade

Finalmente chegou a hora das mulheres brilharem nos esportes.

2019 foi o ano do futebol feminino em vários países. No Brasil e nos Estados Unidos, atletas se rebelaram contra os salários mais baixos do que os dos homens apesar de performances superiores depois da Copa do Mundo Feminina de Futebol.

Poucos meses depois, em novembro de 2019, a Globo transmitiu ao vivo pela primeira vez um amistoso da seleção feminina, e isso foi porque “a internet” não deixou quieto. Há uma demanda por representatividade feminina em todos os âmbitos, mas ela é urgente também nos esportes.

As grandes marcas também estão prestando atenção nisso. Estão aprendendo que, se não patrocinarem atletas femininas, elas vão se tornar irrelevantes.

Carão Fantástico

Da maquiagem artística aos filtros de AI – o carão ousado está in. 

Euphoria, da HBO, foi um marco geracional. Foi também fortemente baseado na estética e na produção artística da maquiagem, e um tremendo sucesso. Um indicativo de uma nova geração que encontrou uma forma de se expressar através dos produtos de beleza independente do gênero.

A indústria de produtos para cabelo, skin care e beleza tem crescido de forma expressiva – entre homens e mulheres. No Reino Unido, curiosamente, os homens têm gastado até mais do que as mulheres – provando que a tendência da beleza criativa veio para ficar. 

Já dentro dos aplicativos, mais e mais ferramentas que permitem que os usuários criem e compartilhem filtros de realidade aumentada para brincar com as expressões faciais e.. outras realidades mesmo! É a expressão do self através do carão.

Fonte: Whalar

Romantismo Digital

Quando o analógico esbarra no digital, o resultado é delicado e aconchegante.

Depois da febre dos apps com filtros que simulam filmes em negativo, veio a onda da fotografia analógica. Não só aquela de nicho, como foi a Lomografia, mas câmeras de 35mm em que você pode colocar o filme, mandar revelar em uma hora e pedir para eles escanearem ali mesmo – afinal, não é mais 1999. É 2019.

Essa estética cria um romantismo analógico transmitido para o digital que é uma forma de arte delicada. Não só através das fotos, porém. A poeta Rupi Kauer se tornou um fenômeno da literatura usando uma beleza inacabada que reflete a fragilidade da era digital. Sua carreira começou com posts de trechos do seu trabalho no Tumblr, em 2012. A primeira coleção dela, milk & honey, foi traduzida para 40 línguas – vendeu mais que a Odisséia, pra vocês terem uma noção.

 

Fonte: Whalar

Craftwork/Artes e ofícios/Arte feita à mão

Fonte: Whalar

Artistas, criadores e experts mostram os bastidores do seu processo.

Ilustradoras, maquiadores, confeiteiros, chefs e outros profissionais criativos têm visto seu engajamento e número de seguidores crescer exponencialmente ao compartilhar seus processos criativos. Vídeos em speed motion têm sido especialmente populares.

O auto-didatismo proporcionado pela internet é o marco de uma geração inteira de criadores e empreendedores. Dar esse espaço para mostrar como se faz as coisas é uma forma de abrir as portas para a democratização do ensino. 

O Etsy também, desde que inaugurou seu site em 2005, tem sido espaço para consumidores e artesãos independentes atrás do seu público nicho. Hoje é o marketplace preferido dos vendedores, estando à frente do Ebay, Amazon e Craigslist. Ele aproxima o criador do consumidor final e é relativamente imune aos danos que a Amazon causa a outros tipos de comércio independente.

Bug do Milênio – #Y2K

A estética dos anos 2000 tem servido de inspiração para os jovens.

Combinando as plataformas do Depop e do Instagram, a hashtag #Y2K já tem quase 750 mil resultados de busca – que aumentam todos os dias. Quem está liderando essa tendência é a Geração Z, justamente a galera que nasceu na década de 2000.

Há contas no Instagram de gente que compartilha seus looks, zines e decorações inspirados na época. O comércio vintage também cresceu 21 vezes mais do que o comércio tradicional nos últimos 3 anos, e a maioria das buscas tem sido por produtos dos anos 2000. 

Para quem viveu a época parece que foi ontem, mas para muitos jovens é a primeira vez que eles estão tendo contato com esse futurismo. O especial de comédia do ator Julio Torres, produzido pela HBO, foi um ode ao #Y2K em termos de estética, por exemplo.

Conclusão

Enquanto cada tendência fale com um tema e estética particulares, elas todas servem a um propósito. Elas mostram que os criadores de hoje estão agindo em direção a algo que acreditam de alguma forma. Ativismo, mulheres no esporte, formas de expressão artística – todas elas falam de paixões. 

É importante entender qual (ou quais) dessas tendências se encaixam na sua marca e como você pode adaptar o seu conteúdo para servir a elas. Não estou falando de mudar completamente sua estratégia e falar apenas de ativismo, mas deixar claras suas posições, ser autêntico, experimentar modelos que se encaixam no que você já faz. Encontrem suas comunidades, tanto no âmbito local quanto global. Seu nicho existe e está esperando por você. Saiba serví-lo bem!

Ufa. Isso foi tipo uma masterclass! 

Se vocês tiverem qualquer dúvida, deixem nos comentários! Me contem também qual tendência se aproxima mais da sua marca e se vocês já estão alinhados a alguma. Eu já tenho visto muita coisa legal por aí!

Não esqueçam de visitar meu canal no YouTube onde eu dou dicas de como bombar no Instagram sempre! 

Beijos e até a próxima <3

    Add Comment