Levitando no Japão: Diário de bordo parte 3 – Nara, Osaka, Hiroshima e Templo Gyokuzoin

Posted In: Lifestyle | Viagem

No meu último diário de bordo do Japão, contei tudo sobre os três dias que passamos em Kyoto. Já tinha contado de Tóquio e agora é hora de falarmos sobre Nara, Osaka, Hiroshima e o Templo Gyokuzoin, onde dormimos no chão! Aí vai mais um post cheio de dicas do Japão!

Dicas do Japão - veados de Nara

 

Dia 7 – Nara e Templo Gyokuzoin

Acordamos bem cedo na terça, fizemos as malas e pegamos um trem de Kyoto até Nara, onde deixamos tudo nos lockers e fomos passear.

A cidade é bem feinha, sem nada demais fora o Parque Nacional de Nara, que é onde ficam todas as construções da época de capital da cidade. E veados. Muitos veados!

Aliás, vocês não têm noção de como fiquei feliz com essa minha selfie com o bambi! aí de cima Antes dela, lógico, tiveram várias tentativas fracassadas:

Dicas do Japão - veados de Nara1 Dicas do Japão - veados de Nara2 Dicas do Japão - veados de Nara3 Dicas do Japão - veados de Nara4

E gente, veado é um bicho muito louco! (não confunda com “viado é uma bicha muito loka!”) Eles correm atrás das pessoas, roubam mapas e folhetos das mãos da gente para comer, mordem as roupas e empurram criancinhas! Hahahahahaha! Por sorte, não foi dessa vez que fui atacada por um veado!

Brincamos e demos comida para os veados até cansarmos  e nos enfiamos parque adentro para achar o Todai-ji, o antigo palácio imperial. As proporções do treco são impressionantes! Lembra da ostentação?

Dicas do Japão - Nara - Todai-ji

Lá dentro tem um Buda gigante de 17m lindo de morrer, cheio de ouro e bronze, pra variar, e vários outros Budas menores mas que de forma alguma podem ser chamados de pequenos.

Dicas do Japão - Nara - Todai-ji - Buda

Depois de cansamos de olhar pro Budão, começamos a caminhada pelas florestas do parque, e foi quando tive uma das melhores sensações aqui no Japão. Sabe aquela imagem que existe no consciente coletivo sobre a Terra do Sol Nascente? É bem isso mesmo! Cheio de bambú e toris e jardins com lagoas e essas coisinhas que não consegui descobrir o nome:

Dicas do Japão - Nara

Dicas doa Japão - Nara2

Por fim, chegamos ao Kazuga-Taisha, o templo da luz.

Dicas do Japão - Nara - Kazuga Taisha3

Fiquei completamente apaixonada e nem acreditava na quantidade de lanternas que rodeavam o templo.

Dicas do Japão - Nara - Kazuga Taisha

Fiquei imaginando como deve ser lindo aquilo tudo à noite e, como se o lugar tivesse ouvido os meus pensamentos, dei de cara com uma cortininha:

Dicas do Japão - Nara - Kazuga Taisha2

Uma das coisas mais lindas que já vi!

Quando terminamos no parque, pegamos um trem até o Templo Gyokuzoin, onde passaríamos a noite. Ninguém sabia direito o que esperar e estávamos ansiosos para descobrir no que estávamos nos metendo!

Mas antes, paradinha básica no supermercado para comprar umas comidinhas para o trem. E claro que gravei tudo para vocês:

Já era noite quando chegamos e o templo estava super iluminado, também cheio dessas lanterninhas de pedra. Na recepção (que na verdade é uma salinha cheia de monges), fomos recebidos com chá e biscoitos e um mapa do complexo, que é gigante! Mas nada de inglês! Por sorte tinha uma turista japonesa lá que também ia passar a noite e ela traduziu o essencial pra gente.

Fomos avisados que o jantar seria servido às 19h e que mulheres poderiam tomar banho no ofurô coletivo até às 21h, e os homens depois disso. Aí fomos levados aos nossos quartos.

Dicas do Japão - Templo Gyokuzoin

Realmente era uma salona com tatame no chão e uma mesa no meio, que enquanto jantávamos algum monge empurrou para o lado e colocou umas almofadas para dormirmos.

E o jantar pode ser descrevido apenas como interessante. Os monges são vegetarianos, então rolou uns tofus diferentes, umas raízes e o sempre-presente gohan. Tudo meio estranhinho! Minha sorte foi que tinha comido no trem e não estava com tanta fome assim.

Dicas do Japão - Templo Gyokuzoin2 Dicas do Japão - Templo Gyokuzoin3

Eu e Ju saímos correndo do jantar quando nos demos conta que já eram 20h e que só teríamos aquele momento para tomar banho. É, de manhã não pode.

 Combinamos ir de biquíni pro ofurô, mas quando chegamos a mulherada tava toda nua e a japa mandou tirar a roupa, então nos jogamos e ficamos peladona mesmo! Hahaha! E foi uma delícia! A água era muuuito quente e ficamos super relaxadas, tanto que nem conseguimos beber nosso saquê contrabandeado. Sim, levamos uma garrafa!

Dia 8 – Templo Gyokuzoin e Osaka 

Dez da noite já tava esticada no chão pra dormir e 4:45 meu despertador avisou que era hora de ir rezar com os monges. A cerimônia foi bem interessante. Eles fazem um fogaréu no meio do templo (indoors mesmo!) e ficam jogando umas ervinhas e cantando. O monges desse templo rezam pela felicidade alheia (fofos!) e enfatizam bastante para fazermos pedidos para o Buda. Não tenho fotos porque entrei no espirito da coisa e fiquei meio zen.

O café da manhã foi mais bizarrinho ainda que o jantar e lá pelas 8 da manhã já estávamos a caminho de Osaka.

A cidade é bem bonita, mas não tem muito o que turistar por lá. Fomos conhecer o castelo de Osaka – que é lindo mas não gostei muito do tema por dentro: as batalhas de Osaka – e depois dar uma dormida, porque estávamos todos moídos.

 Dicas do Japão -Castelo de Osaka

Ah, e ri horrores com esse avisinho na porta do castelo:

Dicas do Japão -Castelo de Osaka2

Lê se:

1) Os banheiros ficam somente no segundo andar do castelo.
1) Se for uma emergência, melhor ir de escada.
1) Não tenha pressa. Ter uma mente calma é o primeiro passo para a paz no mundo. Mantenha essa informação firme na sua mente.

hahahahahhahah

Mas enfim, Osaka à noite é bem melhor do que de dia! Fomos para a região de Dotombori e ficamos pulando de bar em bar, enchendo a cara de saquê e nama biru. Quando a fome bateu, entramos num sushi bar e amamos a escolha! A gente sentou no balcão mesmo e adoramos que o sushi man vai fazendo as peças na sua frente, conforme você vai pedindo. O sushi no Japão não tinha me impressionado tanto assim, até comermos nesse restaurante!

dicas do japão - sushi em Osaka

No fim da noitada, concluí que o que mais gostei do Japão são as noites das cidades grandes. É tudo muito maluco, e cada esquina tem uma surpresa bizarra.

dicas do japão - Osaka à noite dicas do japão - Osaka à noite3 dicas do japão - Osaka à noite4 dicas do japão - Osaka à noite5 dicas do japão - Osaka à noite6

Dia 9 – Hiroshima

No dia seguinte pegamos um trem para Hiroshima, e que dia!

dicas do japão - Trem Bala

O trem, apesar de ser da variação “bala” demorou umas duas horas para chegar a Hiroshima, e da estação pegamos um metrô e uma balsa para irmos até a ilha de Miyagima, nosso primeiro destino. Lá tem um templo famoso pelo seu tori que fica na água, maravilhooooso!

Dicas do Japão - hiroshima - miyagima

O lugar foi super bem indicado e realmente é lindo, mas imagino que deve ser ainda mais maravilhoso na maré alta. Caminhamos pelos templos, pagodas e toris e chegamos a tardia conclusão que, apesar de muitos bonitos, não aguentamos mais ver templos! Chega!

Dicas do Japão - hiroshima - miyagima

Dicas do Japão - hiroshima - miyagima Dicas do Japão - hiroshima - miyagima

E então fomos conhecer o resto da ilhota, que como o Pedrall descreveu, com a balsa e a praia e a terra do outro lado da água, tem uma super vibe de São Sebastião só que lotado de caras vendendo ostra! Hahaha! Aliás, a Ju foi ao delírio, já que a pessoa não perde a oportunidade de mandar uma ostra.

Dicas do Japão - hiroshima - miyagima2

Já o meu ponto alto da Ilha de Miyagima foi a descoberta de que a vending machine de bebidas alcoólicas, que geralmente só tem nama biru (não direi cerveja nunca mais), dessa vez tinha um saquezinho no canto, só pra mim! ❤

Dicas do Japão - hiroshima - miyagima4

Que alegria participar da diversão dessa vez!

Devidamente alcoolizados, demos mais umas voltas até achar um restaurante que tivesse ostras no cardápio e paramos pra comer. Como não sou lá a maior fã (só gosto crua e bem de vez em quando), pedi um prato que tava com vontade de comer desde o primeiro dia no Japão: barbecue de enguia em cima do gohan… Maravilhoso!

Depois do almoço nos demos conta que já era quase 15h e saímos correndo para pegar o Hiroshima Peace Memorial and Museum aberto. E juro, o ground zero e o museu fizeram valer muito o rolê até Hiroshima. Fiquei impressionadíssima com o domo de Hiroshima, o único prédio que sobreviveu à bomba atômica, e o museu que mostra tudo sobre a construção e composição da bomba, como e quando ela foi detonada, os efeitos imediatos e posteriores da detonação e da radiação e um monte de história de pessoas que morreram e relatos das que sobreviveram. Foram mais de 200k mortos numa cidade com a população de 300k, e ficou literalmente a cidade toda em cinzas. Realmente impressionante. Pesado, mas muito interessante.

Dicas do Japão - Hiroshima - ground 0 - 2 Dicas do Japão - Hiroshima - ground 0 Dicas do Japão - Hiroshima - peace memorial and museum

No fim do passeio por lá, voltamos para Osaka e fomos jantar um tipo de barbecue japonês. Estava gostoso, mas era tão gorduroso que a tela do meu celular, que eu deixei do meu lado no sofá, ficou cheia de gotículas de gordura. ECA! Já não via mais a hora de comer as minhas comidinhas de casa! De qualquer forma, aproveitamos muito o jantar, já que seria o último com a Ju e o Pedro. Eles partiriam para Ishigaki e Okinawa, e nós para um último dia em Tóquio antes de voltarmos para o Brasil.

Dicas do Japão - barbecue japonês

Ainda tem mais um diário de bordo por vir, dedicado todinho à Disney, e talvez seja o mais engraçado! Ele vem aí em breve! Enquanto isso, me contem – quem aí já foi pra Nara, Osaka ou Hiroshima? O que acharam? Ficaram com alguma pergunta? Dê o seu pitaco!