Pra quem não sabe, passei metade da minha vida nos Estados Unidos – morei em Miami durante doze anos – e a minha escolha para o destino desse Carnaval foi fortemente influenciado pela experiência de viver por lá. Miami é uma cidade mais latina que americana. Com 70% dos habitantes de origem latina (a maior parte cubana), era comum a brincadeira que morávamos não no sul dos Estados Unidos e sim no norte de Cuba. Lá aprendi a falar espanhol, apreciar a comida criolla e dançar salsa. E lá, sempre rodeada de Cubanos que haviam deixado a sua pátria após a revolução comunista de Fidel Castro, fui sensibilizada às dificuldades do povo expatriado. Os cubano-americanos não podem retornar a Cuba, apesar de ser um sonho coletivo, e de certa forma, conhecer a ilha caribenha virou sonho meu também.

Cheguei em Havana na sexta-feira antes do carnaval. De cara já me senti num lugar muito diferente do que estou acostumada. O aeroporto não tinha nenhuma publicidade além de propaganda de Cuba e da revolucão. Saimos e ficamos esperando o ônibus que nos levaria ao hotel, mas esse nunca apareceu e então convocamos um taxista. A jornada levou quase uma hora, tempo suficiente para nosso novo amigo contar um pouco sobre a vida em Cuba. Descobrimos que o motorista era de fato um economista – em Cuba todos têm formação universitária – mas que havia optado pela profissão atual porque era o único jeito de ganhar um salário decente. Contou que profissionais como médicos, engenheiros e advogados não ganham mais que o equivalente a $30 por mês, e que as pessoas que conseguem juntar um pouco mais são as que trabalham diretamente com os turistas e conseguem assim as suas propinas. Contou que cada cubano tem direito a educação e a saúde, e que ganham uma cesta básica todos os meses, mas que essa não dura mais que uma semana.

Chegamos no hotel Meliá Cohiba e ficamos impressionados com o luxo e a fartura. Ainda ganhamos um upgrade para a suite real, então tudo aquilo que havíamos acabado de ouvir parecia muito distante da nossa realidade. Foi só no dia seguinte, quando saimos pela cidade, que me senti envolvida com o estilo de vida dos Cubanos.

Havana deve ter sido linda nos anos 50, quando foi o playground dos estrangeiros ricos, mas hoje a cidade está literalmente caindo aos pedaços. Os Cubanos puxam muito papo com os estrangeiros, e muitos até contam (com muito cuidado e discrição) de suas vidas dentro do regime comunista, mas sempre esperando um peso em troca.

Conversei muito com uma senhora que trabalhava de guardinha em um museu, e ela me contou que era formada em pedagogia mas que havia optado pelo trabalho no museu pela possibilidade de conseguir um pouco mais que os $7 que ganhava de salário. Disse que não tem muita esperança de o país melhorar com a morte de Fidel, pois o seu irmão, Raúl, que tomará o poder, é mais duro ainda. Nos falou, com lágrimas nos olhos, que dúvida que verá uma vida melhor mas que reza por isso para suas filhas. Contou também que, apesar das dificuldades, tem orgulho em ser Cubana.

Havia pesquisado bastante sobre a cidade e um dos lugares que mais queria visitar era o Coppelia, sorveteria estatal de arquitetura extraagante que garante aos cidadãos um “luxo” na vida. O sorvete é vendido praticamente de graça e quando cheguei, por volta das 18h, a fila se extendia em volta de vários quarteirões. Turistas entravam na hora. Fiquei tão deprimida com aquilo que nem um delicioso mojito não levantou o meu humor!

Apesar do choque cultural, Cuba tem muitos encantos e é uma viagem que eu recomendo. O povo é extremamente hospitaleiro, talvez pela grande quantidade consumida de rum. As comidas típicas são gostosas e as bebidas mais ainda. Para quem gosta de charuto então, não tem destino melhor no mundo! A música é alegre, as praias são paradisíacas e os carros antigos são um show à parte.

Olha algumas fotos aí e em breve eu posto as melhores dicas de Havana e depois de Varadero.

[nggallery id=”havana”]

6 Comments

  1. Pingback: Esmalte da Vez: Verde Água | Levitando... por Luciana Levy

  2. Pingback: SORTEIO! Ganhe um batom da MAC | Levitando... por Luciana Levy

  3. Fiquei impressionado com a sua experiência sobre Cuba. Já esta na lista dos lugares a conhecer e em um posição de prioridade!!
    As fotos também são maravilhosa!!

Write A Comment